LOCALIZAÇÃO

O Centro de Ciências Agrárias (CCA) localiza-se no antigo Engenho Várzea, na cidade de Areia, Região do Brejo Paraibano, a uma altitude de 618m. O clima é tropical úmido, com estação chuvosa no período de outono-inverno, apresentando temperatura média de 23º C, umidade relativa média de 80% e uma precipitação média anual de 1.400 mm.

Além das belas paisagens, a cidade de Areia apresenta um passado que a destaca pela sua participação na política, na educação e nas artes. Ofereceu à Paraíba e ao Brasil filhos ilustres como o pintor Pedro Américo e o ministro José Américo de Almeida.

Desde o século passado, Areia se destaca no setor educacional e cultural, com a criação da primeira escola pública do estado em 1822, e a construção do Teatro Minerva, em 1859, primeiro teatro do Estado da Paraíba. A história de Areia está registrada nos Museus “Casa de Pedro Américo”, “Museu Regional”, “Museu da Rapadura” e na arquitetura de seus
casarões.

A cidade de Areia está bem situada em relação aos principais centros urbanos do Estado, João Pessoa (Capital) e Campina Grande (a maior cidade do interior). A cidade tem uma população de aproximadamente 18.000 habitantes e dispõe de uma boa infra-estrutura, como estradas, meios de comunicação, escolas, bancos, e hotel. O Campus Universitário fica a uma distância de 3 km do centro da cidade.

O Centro de Ciências Agrárias da UFPB foi criado no dia 12 de março de 1934, através do Decreto Estadual nº 478 e federalizado no ano de 1951, sendo inicialmente denominado Escola de Agronomia da Paraíba, depois Escola de Agronomia do Nordeste constituindo-se  na primeira instituição de nível superior da Paraíba.

Linha do Tempo

ESCOLA DE AGRONOMIA DA PARAHYBA – EAP
ESCOLA DE AGRONOMIA DO NORDESTE – EAN
CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS – CCA/UFPB

Linha do Tempo

Esta linha do tempo mostra os principais fatos e momentos da história do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba

1933    O Presidente Getúlio Vargas e comitiva presidencial chegam a Areia em 10 de setembro de 1933 em clima de grande expectativa para verificar as possibilidades para a instalação de uma Escola de Agronomia. O Presidente esteve acompanhado dos técnicos do Ministério da Agricultura Alfeu Domingues e Navarro de Andrade, encarregados de realizar os estudos preliminares à implantação da Escola de Agronomia. Na ocasião, as tendências profissionais da comunidade ainda são fortemente acentuadas para Medicina, Advocacia ou Sacerdócio, carreiras já tradicionais entre famílias da classe dominante rural e, àquela altura, aspirações dos setores de classe média da população.

O modernismo, que trouxe em seu organismo o movimento regionalista e que contribuiu para atrelar ao Estado pós-30 a classe de intelectuais, repercutiu na Paraíba. Após 1930, o intelectual e político areiense José Américo de Almeida, elemento atuante nas mobilizações tenentistas e no movimento regional modernista, encampou o governo estadual. A Escola de Agronomia do Nordeste despontou como uma das mais importantes iniciativas governamentais regionais, naquele momento.

1934    Em 13 de janeiro de 1934, a edição do “Diário Oficial do Estado da Paraíba” faz a publicação do Decreto Estadual no. 478, de 12 de janeiro, assinado pelo Interventor Federal no Estado da Paraíba, Gratuliano de Brito, criando a Escola de Agronomia da Parahyba, em regime de acordo entre os Governos Estadual e Federal. Pelo Decreto, abria-se um “crédito especial de 700:000$000 (setecentos contos de réis), destinado à construção de uma escola de agricultura neste Estado, correndo a despesa à dotação pela Secretaria da Fazenda, Agricultura e Obras Públicas, destinando-se a verba para despesa de aquisição de uma propriedade, edificações e demais obras complementares, destinadas àquele fim”.

1934    A Escola de Agronomia da Parahyba é a 4ª escola de Agronomia criada na região Nordeste e a 11ª no Brasil.

1934    Em 24 de janeiro de 1934, o Engenho Várzea foi adquirido pelo Governo da Paraíba pela quantia de 70:000$000 (setenta contos de réis). Coincidentemente, a compra agradou ao Ministro de Viação e Obras Públicas, José Américo de Almeida, visto que estas terras tinham pertencido aos antigos domínios de seu avô Capitão Augusto Clementino. A criação da Escola de Agronomia foi, incontestavelmente, uma das iniciativas de maior vulto que o então Ministro José Américo de Almeida pode concretizar em favor do progresso e grandeza de sua terra natal.

1934    A construção da EAP/EAN obedeceu à planta da Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário do Ministério da Agricultura. As aulas teóricas e práticas funcionavam em quatro pavilhões colocados paralelamente e unidos entre si, os quais tem por centro uma área ajardinada.

1936    A criação da Escola de Agronomia da Parahyba foi referendada pelo Decreto Estadual no. 696, de 02 de abril de 1936, que lhe deu o Regulamento. A criação desta Escola reveste-se de grande importância por ter sido o primeiro estabelecimento de Ensino Superior Laico da Paraíba, havendo antes apenas o funcionamento do Seminário Arquidiocesano, em 1894, com a instalação da Diocese da Paraíba.

1936    Antes de seu funcionamento como Escola Superior, e ainda sem inauguração, já se implantavam o Curso Fundamental e o Curso Médio de Agricultura. O primeiro foi ministrado de 1936 a 1938 e formava administradores rurais. O Curso Médio de Agricultura inicialmente com dois anos de duração, foi ampliado para três anos, funcionando até 1949, quando passou a ser denominado Curso Agrotécnico. Posteriormente, foi denominado Colegial Agrícola com equivalência a outros cursos de segundo grau, possibilitando o ingresso em cursos superiores através de concursos de habilitação ou vestibular.

1936    Nomeação, pelo Excelentíssimo Senhor Governador do Estado, Argemiro de Figueiredo, do primeiro Diretor, Prof. Luiz Carvalho Araújo (04.1936-08.1938), da Escola Superior de Agricultura de Viçosa (atual Universidade Federal de Viçosa), Minas Gerais, de onde também foi recrutada parte dos primeiros docentes da Escola de Agronomia.

1936    A inauguração se deu a 15 de abril de 1936, com a entrega dos edifícios pela Diretoria de Viação e Obras Públicas, benção dos edifícios pelo Cônego João Coutinho, Vigário de Areia, abertura da Sessão Solene no Salão Nobre da Escola pelo Sr. José de Sousa Maciel, Presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, ocupando, à época, de forma interina, o Governo do Estado, leitura do termo de inauguração e discurso do Diretor do Estabelecimento. Presentes à cerimônia, o representante do Presidente Getúlio Vargas, Capitão Paes Leme, o Secretário da Casa e dos trabalhos, Sr. Germano de Freitas, do Diretor do Serviço de Plantas Têxteis na Paraíba, Eng. Agrônomo Clarindo Gouveia, além da representação política e social do município, notadamente do Deputado areiense Sr. José Rodrigues de Aquino e do Prefeito de Areia, Prof. Leônidas Santiago, dentre outros.

1937    O primeiro Vestibular do Curso de Agronomia ocorreu no ano de 1937, com o início das aulas no dia 1 de março. A primeira diplomação de Técnicos Agrícolas foi realizada em dezembro de 1937, com 14 formandos. A primeira colação de grau foi realizada no dia 1º de dezembro de 1940, com a diplomação de 08 Engenheiros Agrônomos.

1938    Assume a Diretoria, o Prof. Evandro Carvalho Ribeiro (08.1938-09.1938).

1938    Deixa o cargo de Diretor, o Prof. Luiz Carvalho Araújo, sendo substituído interinamente pelo Prof. Diniz Xavier de Andrade.

1938    Prof. Raymundo Pimentel Gomes é nomeado para a Direção (09.1938-01.1941). Engenheiro Agrônomo e jornalista de Sobral, Ceará, foi atuante nos serviços agronômicos da Paraíba, contribuindo incansavelmente para o desenvolvimento da Instituição, além da constante divulgação de suas atividades na imprensa da região, especialmente no suplemento “A União Agrícola” e no Boletim Técnico da Secretaria de Agricultura da Paraíba.

1939    Publicação do livro “Como agricultar as terras nordestinas”, pela “A União” Editora de João Pessoa-PB, de autoria do Prof. Pimentel Gomes, Diretor da EAN.

1940    Reconhecimento do Curso de Agronomia pelo Decreto Federal nº 5.347, de 06 de março de 1940.

1941    Prof. Diniz Xavier de Andrade assume a Diretoria (01.1941-05.1942) e torna a assumir o cargo em dois outros períodos (11.1945-02.1946 e 12.1946-07.1947).

1942    Fundação do Herbário da EAN, atualmente denominado Herbário “Jaime Coelho de Moraes”, cadastrado no Index Herbariorum desde 1944 e com acervo de mais de 11.000 espécies.

1942    Assume como Diretor, o Prof. Joaquim Moreira de Melo (05.1942-03.1944). Também respondeu pela Direção em outros períodos (10.1945-11.1945, 02.1946-12.1946, 05.1951-06.1952, 10.1952-03.1953, 09.1953-07.1954, 10.1954-05.1955).

1944    Prof. Laudemiro Leite de Almeida assume a Direção (03.1944-08.1944)

1944    Nomeação do Prof. Antonio Lemos Maia como Diretor (08.1944-07.1945).

1947    Prof. José Correia de Vasconcelos assume a Diretoria (07.1947-04.1948).

1948    Prof. Abel Barbosa da Silva assume a Diretoria (04.1948-06.1950).

1950    A Escola de Agronomia foi federalizada pela Lei Federal Nº 1.055, de 16 de janeiro de 1950. A transferência dos seus bens para o Patrimônio Nacional ocorreu pelo Decreto Estadual Nº 461 de 21 de março de 1950. Ao ser federalizada, a Escola de Agronomia do Nordeste (EAN) foi desligada do Governo da Paraíba, ficando subordinada, inicialmente, ao Ministério da Agricultura através da Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário (SEAV).  Posteriormente, foi subordinada, por pouco tempo, ao Instituto de Pesquisas Agronômicas do Nordeste (IPEANE) sediado no Recife-PE, retornando em seguida a SEAV.

1950    Prof. Luiz Carlos de Lyra Neto assume a Diretoria (06.1950-05.1951).

1951    Prof. Paulo Maia de Vasconcelos assume como Diretor (05.1951-05.1951).

1952    Realização da I Semana Ruralista de Areia, no período de 14 a 18 de abril de 1952, promovida pelo Serviço de Informação Agrícola, Paróquia de Areia e Escola de Agronomia do Nordeste, com cooperação da SEAV do Ministério da Agricultura, do Ministério da Educação e Cultura, do Governo do Estado da Paraíba e da Ação Católica Brasileira. Na ocasião, a EAN era dirigida pelo Prof. Joaquim Moreira de Melo. A sessão de encerramento do evento foi presidida pelo Governador do Estado da Paraíba, José Américo de Almeida, fundador da EAN.

1952    Prof. Moysés Guimarães Coêlho responde pela Direção (06.1952-10.1952 e 03.1953-09.1953).

1954    Nos mesmos moldes da I Semana Ruralista de 1952 foi realizada a II Semana no período de 19 a 23 de abril de 1954, na Escola de Agronomia do Nordeste, com o patrocínio do Serviço de Informação Agrícola do Ministério da Agricultura.

1954    Prof. Roberto Pinto C. Carvalheira responde pela Direção (07.1954-10.1954).

1955    Assume como Diretor o Prof. Luiz Carlos de Lyra Neto (05.1955-07.1958).

1955    Realização da III Semana Ruralista de Areia, no período de 5 a 9 de setembro de 1955.

1955    Criação da Universidade da Paraíba, pela Lei Estadual n°. 1.366, de 02.12.55. Pelas sábias palavras de seu fundador, o então Governador José Américo de Almeida, a UFPB estaria predestinada a voos venturosos pelo universo infinito do conhecimento: “Eu vos dei as raízes, outros vos darão as asas e o selo da perpetuidade”.

1958    Prof. Paulo Maia de Vasconcelos assume como Diretor (07.1958-04.1962).

1960    Federalização da Universidade da Paraíba, como UFPB, através da Lei no. 3.835, de 13 de dezembro de 1960, pelo Presidente Juscelino Kubistchek de Oliveira, com a participação decisiva do ex-ministro Abelardo Jurema.

1962    Prof. José Correia de Vasconcelos assume a Diretoria (04.1962-01.1966).

1966    Assume como Diretor o Prof. Luiz Carlos de Lyra Neto (01.1966-01.1970).

1967    A EAN passa a ser subordinada à Diretoria do Ensino Superior do Ministério da Educação e Cultura através do Parecer nº 60.731, de 01.05.67.

1968    A EAN passa a integrar a UFPB por força do Decreto Presidencial nº. 62.715, de 16 de maio de 1968.  A Lei 5.540, de 1968, fixou as normas de organização e funcionamento do ensino superior nas universidades brasileiras. O princípio básico que regia era a formação de institutos centrais e a departamentalização.

1970    Prof. Manoel Gouveia da Costa responde como Diretor (01.1970-04.1970).

1970    Assume a Direção o Prof. Aderaldo Leocádio da Silva (04.1970-04.1974).

1973    A Resolução nº. 12 do Conselho Universitário, de 02.08.73, reformula a estrutura acadêmica da Universidade Federal da Paraíba, com base em estudos procedidos pelo Grupo de Trabalho designado pela Portaria R/DP 280, de 25.06.73, visando à formação de centros como órgãos intermediários e de concentração dos departamentos por área de conhecimentos básicos e profissionais. A partir da aprovação desta resolução pelo Ministério da Educação e Cultura e promulgada pelo Decreto no. 73.701, de 28.02.1974, foi criado em Campina Grande/Areia o Centro de Ciências e Tecnologia, com a fusão da Escola Politécnica, da Faculdade de Ciências Econômicas e da Escola de Agronomia.

1974    Através da Reforma Cêntrica, iniciada em 05.04.1974, e estabelecida pelo Decreto nº. 73.701 de 28.02.1974, a EAN dividiu-se em 02 Departamentos: Agro-Biológico e Agro-Zootécnico, os quais passaram a integrar o Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) da UFPB, sediado em Campina Grande.

1974    Prof. Paulo Martins de Abreu assume como Diretor (04.1974-04.1975).

1976    Através da Resolução nº. 79 do Conselho Universitário da UFPB foi criado e instalado o curso de Graduação em Zootecnia.

1976    Prof. Normando Melquíades de Araújo toma posse como Diretor Adjunto do CCT, Campus de Areia (04.1976-12.1978).

1977    Inicia-se o ensino em nível de pós-graduação, com a criação de três cursos em nível de mestrado: Manejo e Conservação de Solos (Res. CONSUNI nº. 157/1977), Produção Animal (Res. CONSUNI nº. 180/1977) e Produção Vegetal (Res. CONSUNI nº. 181/1977).

1978    A antiga EAN passou a ser o Centro de Ciências Agrárias (CCA), Campus III da UFPB, com quatro Departamentos: Fitotecnia, Zootecnia, Solos e Engenharia Rural, e Ciências Fundamentais e Sociais.

1978    A primeira Diretoria do CCA é instalada em 18.12.1978, com o Prof. Normando Melquíades de Araújo como Diretor, no período (12.1978-01.1981).

1980    Lançamento do primeiro número da Revista “Agropecuária Técnica”.

1980    Curso de Zootecnia foi reconhecido pela Portaria MEC nº. 63/80, de 15.01.80.

1981    Prof. Edvaldo Mesquita Beltrão toma posse como Diretor (01.1981-01.1985).

1985    Prof. José Ferreira da Costa Filho responde pela Direção (01.1985-02.1985).

1985    Prof. Normando Melquíades de Araújo assume a Direção (02.1985-03.1986).

1986    Prof. João José de Oliveira Filho responde pela Direção (03.1986-06.1987).

1986    Comemoração do Jubileu de Ouro – 50 anos do Centro de Ciências Agrárias (Ex-Escola de Agronomia do Nordeste), no dia 16.04.1986, com a presença do Vice-Diretor em exercício, Prof. João José de Oliveira Filho, do Prof. Luiz Carvalho Araújo, primeiro Diretor da EAN/CCA, do Prof. Francisco Xavier Sobrinho, ex-Diretor da EAN/CCA, do Monsenhor Ruy Barreira Vieira, Vigário da Paróquia de Areia e Professor da EAN/CCA, e dos Professores Manoel Félix da Silva e Fernando Melo do Nascimento, da EAN/CCA.

1987    Prof. José Farias da Mata responde pela Direção (06.1987-08.1987).

1987    Prof. José de Arimatéa Menezes Lucena assume a Direção (08.1987-01.1990).

1987    Pelo seu pioneirismo na iniciação científica, o CCA sedia a VII edição do Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Ciências Agrárias (CBICCA), com apresentação de trabalhos por estudantes de graduação de todo o País.

1990    Prof. Humberto Silva assume como Diretor (01.1990-11.1990 e 07.1992-11.1992).

1990    Prof. Homero Perazzo Barbosa (12.1990-02.1991). Também assume a Diretoria em outro período (03.1992-07.1992).

1992    Prof. José Pires Dantas responde pela Direção (11.1992-01.1993).

1992    Criada a Reserva Ecológica da “Mata do Pau-Ferro”, através do Decreto Estadual nº 14.832, de 19 de outubro de 1992, em uma gleba de terra situada no sítio “Vaca Brava”, pertencente ao estado da Paraíba. A área da Reserva Ecológica compreende 600 ha da mata localizada na microrregião do Brejo Paraibano, a 5 km da sede do município de Areia-PB, entre as coordenadas geográficas: 6°58’12″ S e 35°42’15″ W.

1993    Assume a Direção o Prof. José Ivanildo de Vasconcelos (01.1993-01.1997).

1993    O CCA sedia a XIII edição do Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Ciências Agrárias (CBICCA), com a temática “Conhecimento e Sobrevivência: Os Desafios da Ciência – da Crise a Uma Nova Realidade”.

1996    Comemoração do 60º Aniversário do Centro de Ciências Agrárias (Ex-Escola de Agronomia do Nordeste), no dia 15.04.96, com a presença do Reitor Prof. Jader Nunes de Oliveira, e do Diretor Prof. Ivanildo José de Vasconcelos e demais autoridades. Na ocasião, em Sessão Solene do Conselho de CCA/UFPB, no Salão Nobre, foi proferida a palestra por Francisco Tancredo Torres, ex-aluno e ex-servidor da Instituição.

1997    Prof. Alberício Pereira de Andrade assume como Diretor (01.1997-01.2001)

1997    É criado o Museu do Brejo Paraibano (Museu da Rapadura) na área do CCA onde se localizaram as edificações da fábrica (engenho) e da casa grande do antigo Engenho da Várzea. Inicialmente a universidade utilizou as edificações como oficina, depois se seguiu os usos de carpintaria, garagem e posto de lavagem até 1979. Neste mesmo ano foi delimitada uma área circundante de dois hectares, restaurado o conjunto arquitetônico e iniciadas as atividades de organização do acervo. O museu iniciou as suas atividades museológicas em novembro de 1997, sendo regulamentado pela Resolução nº. 70/1999 do CONSEPE/UFPB.

1998    O Conselho de Centro do CCA/UFPB aprovou a Resolução nº. 01/98 estabelecendo a concessão do Prêmio Honorífico “Jaime Coelho de Moraes” aos concluintes que obtiverem os dois primeiros lugares em desempenho acadêmico ao longo do curso. Este Prêmio é concedido na cerimônia semestral de colação de grau e constitui uma iniciativa de reconhecimento e motivação para a dedicação acadêmica na graduação.

1999    Foi criado o Doutorado em Zootecnia e instalado o Programa de Pós-Graduação em Zootecnia com cursos de Mestrado e Doutorado.

2000    Criação do Doutorado em Agronomia, com a instalação do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, oferecendo os níveis de Mestrado e Doutorado.

2001    Prof. Alberício Pereira de Andrade assume um segundo mandato como Diretor (01.2001-01.2005).

2002    A UFPB cedeu quatro dos seus seis campi para formar a Universidade Federal de Campina Grande-UFCG (Lei n°. 10.419, de 09.04.2002), com o campus II situado em Areia e o campus III, em Bananeiras.

2005    Prof. Kleymer Júlio Freire Coêlho é nomeado Diretor (01.2005-01.2009).

2005    A UFPB comemora 50 anos de sua fundação, contabilizando 53 cursos de graduação, 40 bacharelados e 13 licenciaturas, com 18.276 alunos. No ensino de pós-graduação conta com 3.662 alunos: 505 em cursos de doutorado, 1.450 em 30 cursos de mestrado e 1.707 em 44 cursos de especialização. O seu corpo docente permanente, com 1.387 professores, tem um alto nível de formação acadêmica: 664 doutores, 495 mestres, 157 especialistas e 71 graduados. O quadro técnico-administrativo é composto de 3.176 servidores: 1.078 de nível superior, 2.248 de nível médio e 390 de nível de apoio.

Na ocasião, a Medalha SAPIENTIA ÆDIFICAT UFPB – 50 Anos, criada pela Resolução no. 12/2005, do Conselho Universitário, foi entregue a Francisco Tancredo Torres e Jaime Coelho de Moraes (in memoriam), dentre outros, como ato de reconhecimento e homenagem a personalidades que contribuíram com a UFPB, formando gerações e produzindo conhecimento para o desenvolvimento do país, do Estado e da sociedade de uma maneira geral.

A Placa Comemorativa – 50 Anos da UFPB, como reconhecimento da UFPB à relevante contribuição prestada à sua história, foi entregue a Sra. Rita da Luz – Professora de 1º e 2º graus do CCA – Professora aposentada mais velha da UFPB, ao Sr. Luiz Rodrigues Ramos – Auxiliar de Agropecuária – Depto. de Zootecnia – CCA, servidor na ativa com mais tempo de serviço na UFPB, e Deodato do Nascimento Aquino – concluinte com maior coeficiente de rendimento escolar na área de Ciências Agrárias, do curso de Agronomia.

Foram agraciados com o título de Professor Emérito, conforme Resolução no. 13/2005, do Conselho Universitário, os Professores aposentados do campus II, José Pires Dantas (Departamento de Solos e Engenharia Rural), José da Rocha Barros (Departamento de Fitotecnia), João José de Oliveira Filho (Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais) e Nyedja do Nascimento Silva (Departamento de Zootecnia).

2005    Em 31.05.05 o Conselho Universitário – CONSUNI/UFPB aprovou a criação do Curso de Graduação em Ciências Biológicas do CCA, com duas habilitações: Bacharelado e Licenciatura. Através da Resolução nº. 25/2005, o CONSEPE/UFPB, aprovou o Projeto Político-Pedagógico do novo curso do CCA. Através deste curso o CCA iniciou a oferta de curso noturno (Licenciatura).

2005    Areia torna-se a primeira cidade do estado da Paraíba tombada como Conjunto Histórico e Urbanístico pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional – IPHAN. Todo o conjunto arquitetônico Areiense foi analisado pelo IPHAN e considerado de relevância para o desenvolvimento da Paraíba e do Brasil, o que resultou no seu tombamento, em 2005, tornando a cidade, de fato e de direito, Patrimônio Histórico e Cultural do Brasil. O Prédio Central e o Prédio da Biblioteca do CCA, originários da sua fundação, se harmonizam com os aspectos históricos da cidade.

2007    É criado o Curso de Medicina Veterinária no âmbito do Programa de Apoio aos Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI), através da Resolução nº 64/2007, do CONSEPE e Resolução nº 30/2007 do CONSUNI, tendo seu Projeto Político Pedagógico aprovado pela Resolução do CONSEPE Nº 65/2007.

2009    Prof. Djail Santos assume como Diretor para mandato de quatro anos.

2009    Criação dos Departamentos de Ciências Biológicas e de Ciências Veterinárias, e alteração do nome do Departamento de Fitotecnia para Fitotecnia e Ciências Ambientais, pela Resolução nº 01/2009 do CONSUNI.

2009    Nos dias 6 e 7 de abril de 2009, o CCA recebeu a visita do Embaixador do Reino dos Países Baixos no Brasil, Onno Hattinga van’t Sant, Sra. Embaixatriz Johanna Van’t Sant e 1ª secretária da Embaixada, Sra. Marielle van Miltenburg.  Eles vieram ao campus II para conhecer as atividades do projeto ‘Viveirismo e Extensão Florestal para Agricultores Familiares’, coordenado pelo Prof. Leonaldo Alves de Andrade, do Laboratório de Ecologia Vegetal do CCA, vinculado ao Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais.

2009    Comemoração dos 150 anos do Teatro Minerva (antigo Teatro Recreio), primeiro teatro construído na Paraíba, em 1859. Atualmente o Teatro Minerva é administrado pelo CCA/UFPB.

2010    A UFPB celebra 50 anos de sua federalização, prestando uma homenagem ao ex-ministro paraibano Abelardo Jurema, pela propositura de federalização da Universidade da Paraíba, em 1960, enquanto deputado federal.

2010    Criação do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo do CCA/UFPB, nos níveis de Mestrado e Doutorado, em substituição ao PPG em Manejo de Solo e Água, nível Mestrado.

2010    Graduação da primeira turma de Licenciados e Bacharéis em Ciências Biológicas.

2010    O Museu do Brejo Paraibano inaugura novo Roteiro Expográfico, e passa a fazer parte do Sistema Brasileiro de Museus (D.O.U., de 04.10.10).

2011    O CCA comemora 75 anos de sua fundação, contabilizando 05 cursos de graduação, sendo 04 bacharelados e 01 licenciatura, com 1.164 alunos. No ensino de pós-graduação conta com 253 alunos: 133 em 03 cursos de doutorado e 120 em 03 cursos de mestrado. O seu corpo docente permanente, com 112 professores, tem um alto nível de formação acadêmica: 79 doutores, 29 mestres, 04 especialistas. O quadro técnico-administrativo efetivo é composto de 214 servidores sendo 28 de nível superior, e de 93 servidores terceirizados. Até esta data, o CCA/UFPB já colocou a disposição da sociedade os seguintes profissionais de nível superior: 2738 engenheiros agrônomos, 475 zootecnistas e 29 biólogos, contribuindo significativamente para o desenvolvimento da Paraíba e do Brasil. 


Créditos

Organização e Pesquisa:
Djail Santos
Lourdes Maria Rodrigues Cavalcanti

Revisão dos Textos:
Lourdes Maria Rodrigues Cavalcanti

Fontes:
Capdeville, Guy. O ensino superior agrícola no Brasil. R. bras. Est. Pedag., Brasília, v.72, n. 172, p. 229-261, set./dez. 1991.
Coelho, Newton Marinho.  Na intimidade do Brejo de Areia. João Pessoa: A União, 2001. 198p.
Ferreira, Lúcia de Fátima Guerra; Fernandes, David (Org.) UFPB 50 Anos. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2006. 177p.
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO IPHAN/PB. Conjunto Histórico, Urbanístico e Paisagístico da Cidade de Areia, Patrimônio Nacional; 20ª SR/IPHAN-PB. João Pessoa-PB: 2007. 58p.
Torres, Francisco Tancredo. Areia: Paróquia e Pároco 40 anos.  Areia-PB: Departamento de Produção Gráfica-Secretaria Estadual de Cultura/PB, 1990. 367p.
Torres, Francisco Tancredo. Palestra pronunciada em Sessão Solene do Conselho de Centro do CCA/UFPB, por ocasião do 60º Aniversário da Ex-Escola de Agronomia do Nordeste. Areia: Editora Universitária/UFPB, 1996.
Torres, Francisco Tancredo (Org.) Jubileu de Ouro das Ciências Agrárias na Paraíba. Areia-PB: CCA/UFPB, 1986. 65p.

Consultores:
Francisco Tancredo Torres e Maria das Dores Monteiro Baracho

Para enviar sugestões, comentários e complementos sobre este site queira, por gentileza, entrar em contato com o e-mail diretoria@cca.ufpb.br. Para correções, e, ou, sugestões, se possível, informar a fonte, citação e autor da informação correta.

Galeria dos Ex-Diretores

Luiz Carvalho Araújo 1º Diretor

LUIZ CARVALHO ARAÚJO

Raymundo Pimentel Gomes 3º DiretorRAYMUNDO PIMENTEL GOMES
DINIZ XAVIER DE ANDRADE 4º DiretorDINIZ XAVIER DE ANDRADE JOAQUIM MOREIRA DE MELO 5º DiretorJOAQUIM MOREIRA DE MELO
LAUDEMIRO LEITE DE ALMEIDA 6º DiretorLAUDEMIRO LEITE DE ALMEIDA ANTONIO LEMOS MAIA 7º DiretorANTONIO LEMOS MAIA
ABEL BARBOSA DA SILVA 9º DiretorABEL BARBOSA DA SILVA LUIZ CARLOS DE LYRA NETO 10º DiretorLUIZ CARLOS DE LYRA NETO
PAULO MAIA DE VASCONCELOS 11º DiretorPAULO MAIA DE VASCONCELOS MOYSÉS GUIMARÃES 12º DiretorMOYSÉS GUIMARÃES COÊLHO
ROBERTO CAVALCANTI PINTO CARVALHEIRA 13º DiretorROBERTO CAVALCANTI PINTO CARVALHEIRA MANOEL GOUVEIA DA COSTA 14º DiretorMANOEL GOUVEIA DA COSTA
ADERALDO LEOCÁDIO DA SILVA 15º DiretorADERALDO LEOCÁDIO DA SILVA PAULO MARTINS DE ABREU 16º DiretorPAULO MARTINS DE ABREU
NORMANDO MELQUÍADES DE ARAÚJO 17º Diretor

NORMANDO MELQUÍADES DE ARAÚJO

EDVALDO MESQUITA BELTRÃO 18º Diretor

EDVALDO MESQUITA BELTRÃO

JOSÉ FERREIRA DA COSTA FILHO 19º DiretorJOSÉ FERREIRA DA COSTA FILHO JOÃO JOSÉ DE OLIVEIRA FILHO 20º DiretorJOÃO JOSÉ DE OLIVEIRA FILHO
JOSÉ FARIAS DA MATA 21º DiretorJOSÉ FARIAS DA MATA JOSÉ DE ARIMATÉA MENEZES LUCENA 22º DiretorJOSÉ DE ARIMATÉA MENEZES LUCENA
HUMBERTO SILVA 23º Diretor

HUMBERTO SILVA

HOMERO PERAZZO BARBOSA 24º Diretor

HOMERO PERAZZO BARBOSA

JOSÉ PIRES DANTAS 25º Diretor

JOSÉ PIRES DANTAS

JOSÉ IVANILDO DE VASCONCELOS 26º Diretor

JOSÉ IVANILDO DE VASCONCELOS

KLEYMER JÚLIO FREIRE COÊLHO 28º Diretor

KLEYMER JÚLIO FREIRE COÊLHO                                    

 

aLBERÍCIO